Campolargo Pinot Noir, Tintos 2007 e 2009

Meus caros,

Aqui vos deixo uma opinião, que para mim é cada vez mais uma certeza.

Provei os Pinot Noir do Campolargo, 2007 e 2009.

Temos uma quantidade enorme de diferentes castas, de norte a sul, que de facto num país de pequena dimensão são um motivo de surpresa quando saltamos de prova em prova, de região em região.

Castas fabulosas, que aplicadas na região “onde se sentem melhor” potenciam tudo aquilo que podem oferecer a um vinho. O Castelão na Península de Setúbal, a Baga na Bairrada, a Tinta Roriz no Douro, a Trincadeira e o Aragonez no Alentejo, etc…

O Pinot Noir nunca foi propriamente uma das minhas castas de eleição, nem nunca considerei que fizesse vinhos que para mim sejam referências em Portugal. Provavelmente com excepção de um Espumante rosé do Camporlargo, feito de Pinot Noir.

Estas duas garrafas confirmaram essa minha opinião. Vinhos que podem ser interessantes por uma certa tranquilidade doce, que na boca apresentam harmonia, estrutura, mas que não disparam para pontos onde outros vinhos da mesma gama de preços chegam.

É interessante, porque é diferente. Mas não passa daí.

 

Saúde,
Dr. Ribeiro

Categorias: Pólvoras, Vinho Tinto

Prova

Posts Relacionados