Restaurantes que “protegem o vinho”, são restaurantes que também nos protegem.

 

Meus caros,

Este “artigo” está na gaveta há algum tempo. Mas é obrigatório falar nisto, quero mesmo tentar estimular a hipótese de perceber quantos casos como este que vos vou falar, existem pelos cantos de Portugal, seja de onde for.

A origem destas ideias vem de um sítio, o aconchegante restaurante 3 Pipos, em Tonda (Tondela).

Este é um restaurante que tem tudo, a nossa comida portuguesa como a conhecemos e como a queremos, staff com níveis de simpatia máximos e aquele ambiente bem acolhedor. A alma deste restaurante não está dependente de marketings assentes numa imprensa que se oferece para percorrer vários restaurantes de Norte a Sul do país, nem em fotografias de comida que ocupam uma ou duas páginas de uma ou duas revistas, nem de uma apregoada magnífica garrafeira publicitada em todo o lado, mas afinal proibitiva, que a faz não passar de uma ilusão.

A alma do 3 Pipos está em simplificar, diferenciar, e proteger-nos. O que ali se vai sentindo, faz-nos voltar. Dali é praticamente impossível sair com ideias do tipo, “gostei, mas foi uma vez sem exemplo”, ou, “já conheço, não há necessidade de voltar”. Aquelas boas sensações vêm de uma série de detalhes e instantes que, no final, nos fazem sentir como parte daquele lugar, como uma espécie de família. E à família voltamos sempre que o “raio da vida” nos permite.

No meu caso, vivendo em “contínua ansiedade” por ler vinhos que não conheço, atribuo uma parte importante desta alma do 3 Pipos à gestão de preços e de referências da sua carta de vinhos. Não é a maior garrafeira de Portugal, ou uma das maiores da Europa. Isso são contas de outros marketings… Inegavelmente, a garrafeira deste restaurante é bastante generosa, mas o cuidado de nos ser dada a oportunidade de podermos escolher vinhos daquela zona (Dão) a preços de prateleiras de garrafeiras é tratar-nos bem, é proteger-nos, é de alguma forma cuidar de nós, clientes.

Ali podemos saborear as melhores referências gastronómicas do Dão, e conseguir pedir um Quinta do Perdigão, Jaen (Mencia) 2010 por aproximadamente 12€!

Mas 12€ é o preço praticado em garrafeiras! Não estamos habituados a pagar, por um vinho, o mesmo valor dentro e fora de um restaurante.

É assim tão difícil um restaurante de determinada zona privilegiar gastronomia dessa zona, com vinhos dessa zona, e desta forma? Será o 3 Pipos o único a fazê-lo? Espero que não, e por isso vos peço ajuda. Contem-me o que há, por aí fora, parecido com isto. Será, com certeza, possível fazer um mapa engraçado, com boas referências, de Melgaço a Vila Real de Santo António.

Se os outros não querem, ou não podem fazer igual, é lá com eles, mas que se deve proteger quem nos protege, isso é inegável. E no 3 Pipos somos protegidos, nos outros, nem por isso.


Restaurante Churrasqueira Rocha, Mealhada, promove mensalmente bons tintos e bons espumantes bairradinos, entre os 7,5€ e os 10€ a garrafa. 4.8 de feedback na página de facebook –> www.facebook.com/churrasqueirarocha/


Restaurante A Lareira, Fão, Braga. Recomendado por um nosso seguidor, como tendo além de muito boa comida, vinhos com preços razoavelmente acessíveis. 4.9 de feedback na página de facebook –> www.facebook.com/restlareira/


Restaurante O Cantinho do Tito, Viseu. Recomendado por um nosso seguidor, como tendo vinhos com preços razoavelmente acessíveis. 4.9 de feedback na página de facebook –> www.facebook.com/O-Cantinho-do-Tito-234090946672983/


Restaurante Quinta do Galo, Viseu. Recomendado por um nosso seguidor, como tendo vinhos com preços razoavelmente acessíveis. 5.0 de feedback na página de facebook –> www.facebook.com/QtaGaloRest/


Saúde,
Dr. Ribeiro

Prova

Posts Relacionados